12 de mar de 2012

A Exterminadora de Formigas

Oi pra vocês!!!

Uma formiga encontra a outra e começa o diálogo:
- Oi!
- Oi!
- Como cê chama?
- Eu chamo Fu.
- Fu?
- É, Fumiga. E vc?
- Ôta.
- Ôta?
- Ôta fumiga...

Sim, vc chegou em casa e viu que não está só. Aqui estão elas, andando pela cozinha, vindas de lugar nenhum (de onde elas brotam?) e indo na direção de uma migalha esquecida no cantinho. Ou não, nem tem migalhas e as danadinhas estão por toda parte.

Toda vez que isso acontece aqui em casa eu me coloco num momento nostalgia e fico lembrando de como eu gostava do desenho da Formiga Atômica (por isso o desenho tirado do Google, aqui em cima) sem nem me dar conta de que era uma formiga. Depois volto ao meu estado adulto pra me dar conta de que o "remédio" venceu.

Então vamos renová-lo agora.

Eu uso algumas tampinhas (tipo as de vidros de maionese ou o que a imaginação colaborar), água, açúcar e ÁCIDO BÓRICO. O problema começa aí. Ácido bórico ultimamente tem sido quase impossível de se achar, porque sua venda foi proibida. Antes, a gente comprava fácil na farmácia, tal como água boricada, oxigenada, soro fisiológico, pasta d'água, enfim. Só que pelo que pude levantar de informação, esse ácido é usado na manipulação de pasta base de cocaína, não sei exatamente em qual parte do processo (e no meu caso, desnecessário saber exatamente em qual). Minha dica é tentar com um farmacêutico amigo. Se vc for procurar e achar fácil, avise nos comentários. Mas se prepare pro pior [risos].

A receita é bem simples: é só misturar açúcar com um pouco de água até dissolver bem e ficar uma pastinha melada. Aí é só colocar um pouquinho de ácido bórico e misturar bem. A proporção que uso é de uma xícara de café de açúcar, o quanto baste de água até fazer a pastinha melada (não muito líquida) e meia colherinha de café de ácido bórico. Eu costumo fazer direto na tampinha. Deixo as tampinhas com o "lanchinho docinho" num cantinho da pia e num nicho do armário que fica no alto, oposto à pia. Se vc tiver bichos em casa, é bom tomar cuidado. Com crianças, idem. Aqui em casa, como elas aparecem mais na pia, eu faço uma única tampinha, deixo-a na pia e tão logo elas sumam eu subo pro nicho aberto na parte mais alta do armário.

É incrível como elas somem rápido. E ficam mais ou menos 1 ano sem aparecer. Sempre tem algumas que acabam morrendo por ali, por isso eu chamo as minhas tampinhas de "cemitério de formigas". Não se preocupe em trocar antes que elas resolvam invadir sua casa novamente, e isso demora. Não podemos desperdiçar ácido bórico... [risos]

Próxima vez que eu for trocar o "veneninho", eu tiro fotos do processo todo e atualizo o post. Só montei rapidamente porque estou com algumas amigas sofrendo com as danadinhas. 

Então bora lá procurar ácido bórico!!!!! Espero que tenha ajudado.

Beijo!

2 de fev de 2012

Descobrindo uma gravidez

Você vive uma vida inteira sem conseguir se imaginar sendo mãe. Totalmente desconectada desse mundo, você não imagina que a maternidade está mais perto - bem perto - do que você imagina.

Sim, caríssima, aquela tabelinha estava certa, você estava fértil e bingo! 

Daí que nas suas contas, a monstra deveria ter aparecido no domingo. Hoje é quarta-feira e nada. Não que você seja um reloginho, mas já estamos quase no quarto dia de atraso. Preocupante? Não deveria ser, afinal, já teve atrasos maiores. O que acontece nesse momento é que você sente que há algo diferente, mas não identifica o que é. Só um ano depois, quando você se lembrar desses momentos é que vai entender.

Vai deitar pra dormir e antes coloca o relógio pra despertar mais cedo. "Se até amanhã de manhã não tiver sinal, vou até a farmácia comprar um teste". Como assim, teste? Eu já falei, coisas que a gente sente diferente mas só vai entender muito tempo depois.

Daí que o dia amanhece, o despertador toca e você se vê pulando da cama imediatamente, tamanha a ansiedade. E nada. Com o nível de ansiedade extrapolando os 100%, você se dá o veredito: "Vamos lá resolver isso antes da aula, antes que eu morra por causa da dúvida". Sai sem fazer o xixizinho matinal, direto pra farmácia. 
Enquanto isso, teu cônjuge dorme tranquilamente. Nem faz ideia da turbulência.

Volta pra casa com aquela caixinha nas mãos sabendo que ela será capaz de mudar a sua vida pra sempre. Vai pro banheiro, segue o procedimento, aguarda e....


Tcharãm!! DUAS LINHAS. Sabe o que significa? Que tem um bebê aí dentro. 

Reação: riso, choro, riso, choro, choro, riso, tudo isso guardando o devido silêncio pra não acordar o pai da criança. Apesar de tudo, você ainda não se sente totalmente segura que isso está acontecendo com você. Sim, minha cara, você PRECISA de um positivo escrito por um médico. A essas alturas, já era a aula. 

E do caminho ao laboratório até o efetivo resultado do exame (estaria pronto depois do almoço), não tem espaço pra mais nada na sua cabeça. Você se vê aérea, flutuando como se tivesse parado no tempo. Tudo isso porque diante da tua situação de vida, você JAMAIS, eu disse JAMAIS esperava que pudesse estar vivendo um momento como aquele.

Daí que vem o resultado: POSITIVO. Pronto. Sua certeza já chegou em 100%? Parece que sim. O próximo passo agora é contar ao papai. Mas isso é assunto pra outro post.

É minha cara, você não planejou, não esperava, este é o seu último ano de faculdade. E só estamos em março. Mas ele já é realidade aí, dentro de você. E nunca mais sua vida foi a mesma.

Beijo meu.